Palavras de Alento

28 de mai de 2010

A história secreta da Mulher Só e do Homem Sem Tempo

Capítulo VIII

Estava às voltas com o casamento de sua irmã mais velha. Era quase primavera, e mesmo estando tão descrente do amor, imergiu nos preparativos, de modo a contribuir de alguma forma, já que seria madrinha dos nubentes.

Fora encarregada de providenciar um bom fotógrafo, que além de registrar tudo, entregasse as fotografias num álbum à altura daquela festa, que lhe parecia exagerada e desnecessária. Mas não discutiria isso com sua irmã agora, pois certamente entrariam em conflito e isso seria péssimo, às vésperas de sua boda. Precisavam apoiar-se mutuamente, pois só tinham uma à outra, além de seu velho e cansado pai.

- Aqui, senhora, dê uma olhada nesses modelos pra ver se algum lhe agrada.

A atendente do estúdio fotográfico pusera à sua frente uma pilha de álbuns. Não sabia por onde começar. Desanimada, pensava na perda de tempo que fora seu próprio casamento. Fizera tudo por imaturidade, mas sua irmã já tinha exemplos suficientes pra saber que aquela pompa toda não lhe garantiria felicidade alguma.

Decidiu que olharia dois ou três álbuns e escolheria qualquer um, tamanho o enfado que lhe causava assuntos relacionados a festas de casamento, sobretudo fotos. Sua irmã certamente fizera de propósito, sabedora de que a Mulher Só detestava esse tipo de formalidade. Para ela, não fazia sentido algum estampar aqueles sorrisos rasgados, vestido branco, fraque, daminhas, flores, flores, flores... Quanto desperdício!

Examinou um álbum, não gostou. Pegou outro, e já estava distraidamente a folhear o terceiro quando, em meio a tantos, retratos reconheceu um dos rostos.

Parou, estática.

Estava em choque. Seus olhos não queriam acreditar no que viam.

Era ele, o Homem Sem Tempo, sorrindo ao lado de uma mulher, numa fotografia de casamento. Do seu casamento.


To be continued...

4 Recadinhos

A viajante

comentou...

Enquanto isso, a duas quadras de seu canto, uma amiga lê essa triste história e também se surpreende com o acaso...que nada, não há acasos.

29 de maio de 2010 08:31
Responder
Luiz

comentou...

Caramba... não acredito. Põe mais um capítulo por favor. Preciso saber mais. Beijo

29 de maio de 2010 12:34
Responder
Carol Fonseca

comentou...

aiai...
posta mais logo!

30 de maio de 2010 01:02
Responder
Uma Delas

comentou...

Sabia que ele não passava de um ordinário!!!

4 de junho de 2010 23:10
Responder

Postar um comentário

Se impressionou? Então me conte!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...